passeriformes

Polícia-inglesa-do-sul (Sturnella superciliaris)

Postado em Atualizado em

Polícia-inglesa-do-sul

Classificação Científica

Reino:  Animalia
Filo:  Chordata
Classe:  Aves
Ordem:  Passeriformes
SubOrdem:  Passeri
Parvordem:  Passerida
Família:  Icteridae
 Vigors, 1825
Espécie:  S. superciliaris

Nome Científico
Sturnella superciliaris
(Bonaparte, 1850)
Estado de ConservaçãoPouco preocupante

O polícia-inglesa-do-sul (Sturnella superciliaris), é uma ave Passeriforme da família Icteridae, conhecido também no sul de Santa Catarina, onde há varias plantações de furacão-do-arroz.

Possui em média 17 centímetros. O macho possui todo o corpo preto, contrastante com sua  gola, rêmiges bastardas e peito de um vermelho intenso, além de uma estria branca logo acima dos olhos que se estende até seu pescoço. A fêmea se distingue do macho por ter seu corpo marrom e tons discretos de vermelho. Os jovens são semelhantes aos adultos, apenas com suas colorações menos intensas.

Aves onívoras  se alimentam principalmente de larvas e pequenos insetos, além de sementes. Fazem seus ninhos no chão, em moitas de capim e possuem o hábito de levantarem seu voo na vertical cantando.

Em Franca, ele pode ser observado em áreas verdes de bairros da borda da cidade e em pastos, onde fazem seus ninhos em meio ao capim, por ter suas fortes cores vermelhas podem facilmente ser avistados em meio à vegetação, normalmente empoleirados em algum arbusto ou em fios.

Galeria de fotos:

 

Lavadeira-mascarada (Fluvicola nengeta)

Postado em Atualizado em

Lavadeira-mascarada

Classificação Científica

Reino:  Animalia
Filo:  Chordata
Classe:  Aves
Ordem:  Passeriformes
SubOrdem:  Tyranni
Parvordem:  Tyrannida
Superfamília:  Tyrannoidea
 Vigors, 1825
Família:  Tyrannidae
 Vigors, 1825
Subfamília:  Fluvicolinae
 Swainson, 1832
Espécie:  F. nengeta

Nome Científico
Fluvicola nengeta
(Linnaeus, 1766)
Estado de ConservaçãoPouco preocupante

A Lavadeira-mascarada (Fluvicola nengeta), é uma ave Passeriforme da subfamília Fluvicolinae, conhecida também como lavadeira, noivinha, viuvinha (zona da mata mineira), maria-branca, maria-lencinho, bertolinha ou pombinho-das-almas e senhorinha.

Mede cerca de 16 centímetros, possui o corpo branco, com as asas e a ponta do rabo pretas, além de uma faixa preta na altura dos olhos, de onde vem seu nome, por parecer uma máscara. Seus pés e pernas são pretos. A fêmea se difere do macho por suas costas um pouco mais claras que no macho.

Alimenta-se principalmente de pequenos artrópodes que encontra em margens lamacentas de lagos, rios, brejos, açudes e currais, onde normalmente é encontrada.

Encontrá-la em Franca é relativamente fácil, podendo encontrá-la praticamente em qualquer local nas redondezas da cidade onde haja margens lamacentas, como no Jardim zoobotânico em seus lagos, ou em fazendas onde exista currais. É também encontrada ocasionalmente em jardins e praças dentro da cidade.

Galeria de fotos:

 

Noivinha-branca (Xolmis velatus)

Postado em Atualizado em

Noivinha-branca

Classificação Científica

Reino:  Animalia
Filo:  Chordata
Classe:  Aves
Ordem:  Passeriformes
SubOrdem:  Tyranni
Parvordem:  Tyrannida
Superfamília:  Tyrannoidea
 Vigors, 1825
Família:  Tyrannidae
 Vigors, 1825
Subfamília:  Fluvicolinae
 Swainson, 1832
Espécie:  X. velatus

Nome Científico
Xolmis velatus
(Lichtenstein, 1823)
Estado de ConservaçãoPouco preocupante

A Noivinha-branca (Xolmis velatus), é uma ave típica de áreas campestres, conhecida também como lavadeira, lavadeira-grande, lavandeira (Maranhão), noivinha (Pernambuco) e pombinha-das-almas.

A noivinha-branca mede cerca de 20 centímetros. Apresenta a maior parte do corpo branca, com suas asas e a cabeça acima dos olhos acinzentados, além de cauda quase preta. Muito parecida com outros membros da subfamília Fluvicolinae, às vezes é confundida com o Primavera (Xolmis cinereus), se distinguindo desta pelas cores mais claras de seu corpo.

Não possui dimorfismo sexual.

Alimenta-se principalmente de insetos que caça em pequenos vôos, podendo consumir também pequenos frutos.

Em Franca, ela pode ser avistada pousada em árvores, postes e fios, de onde faz seus curtos vôos caçando pequenos insetos voadores, sua principal fonte de alimentação. Em matas nos arredores da cidade, pode ser encontrada facilmente quase sempre sozinha ou em casais em árvores isoladas em meio à paisagem.

Por ser uma espécie migratória, é comum encontrá-la em quase todo o território brasileiro.

Galeria de fotos: